cepticismo não justificado

eu confesso que estava um pouco entediado com as perspetivas jornalísticas deste final de semana e fim de semana.

o papa e fátima não me geram grande entusiasmo. o festival da eurovisão não me excita particularmente há muitos anos, se é que algum dia me gerou algum entusiasmo. e a fé pelo benfica com a possibilidade de ganhar o campeonato este fim de semana, muito menos (felizmente!).

a verdade é que tenho aprendido muito com os diretos informativos destes acontecimentos. por exemplo, o rotor do helicóptero (eh 101) que vai transportar o papa tem 5 pás. nunca eu, em circunstância alguma, saberia desta informação. porque nunca procuraria saber. só pérolas! aliás acabo de me rir à gargalhada com uma referência sinistra num direto. estou a gostar muito! o que vem contrariar o meu cepticismo inicial.

a propósito, ainda espero ver imagens da folha de presenças a rodar pelo santuário para que todos os funcionários públicos possam assinar a respetiva presença em fátima.

é constrangedor

há reflexões que quanto mais lúcidas, maior é desilusão. pessoas que, não tendo conhecimentos básicos, não se poupam no ridículo e na falta de bom senso. poupam por um lado para poderem esbanjar por outro.

aterrador

é aterrador o facto de objetivos, ideais e anseios de vida não estarem exclusivamente dependentes do crer e das capacidades próprias, incluindo a capacidade de sacrifício. revolta.

cinismo

não deixa de ser curioso ver jornalistas repudiar tragédias decorrentes de rivalidades futebolisticas quando, eles próprios, e os seus respetivos órgãos de comunicação social, são parte ativa na geração de ódio. ou pelo simples facciosismo, sempre tão, tão  presente e ao serviço de interesses, ou pelo incitamento à polémica com fins únicos de aumento de audiências.

os tontinhos, animaizinhos sem qualquer noção de bom senso, acabam a ser os mártires de toda esta estupidez.

identifico-me

tem gente que eu sei que fala mal de mim, mas trato na maior normalidade do mundo… uns chamam de falsidade, eu chamo de maturidade! na boca de quem não presta, até quem é bom não vale nada.
miriam lewer

não gosto muito de frases feitas, mas tropecei nesta e… não é que define bem o que penso?!

será?

a idade confere-nos conhecimento e, como consequência, outra capacidade de lidar com a adversidade. mas conseguirá lidar com com expectativas de vida recorrentemente e persistentemente goradas?!

ou pelo menos conceberá sabedoria suficiente para saber reestruturar as expectativas?

urso

o sucesso ou insucesso deve ser medido em função daquilo que nos está destinado. e a mim, hoje, estava destinado fazer figura de urso. e fiz muito bem. portanto, fui bem sucedido. até sinto uma pontinha de orgulho por isso.